Governo lança o sistema Sigef para fins de controle da execução orçamentária, financeira e contábil de Rondônia

Secom/Governo de Rondônia

A partir da próxima segunda-feira (18), após 23 anos de sua existência, o Governo de Rondônia, por procedimento da Secretaria de Estado de Finanças do Estado de Rondônia (Sefin), vai desativar o Sistema Integrado de Administração Financeira para os Estados e Municípios (Siafem) e passará a vigorar a utilização do Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal (Sigef) para fins de controle da execução orçamentária, financeira, contábil, entre outros. O atual modelo possui interface amigável e intuitiva e irá permitir integrações importantes entre diferentes aplicações, atuais e futuras.

A troca foi necessária para aperfeiçoamento e evolução dos sistemas do governo com o objetivo de atender às demandas crescentes do estado, uma vez que o atual sistema utilizado é de primeira geração (primeiros sistemas a serem lançados). Ao adotar um sistema de 3ª Geração, classificado entre um dos melhores no cenário nacional, a mudança beneficiará tanto os usuários quanto os rondonienses que poderão ter acesso à informações com melhor qualidade, solidez e segurança.

Para o superintendente de contabilidade, Jurandir Cláudio Dadda, desde 1997, o Siafem tem sido utilizado como o sistema operacional oficial do Estado de Rondônia e, ao longo dos anos, mesmo sendo ultrapassado, proporcionou avanços significativos. “O Siafem até agora foi muito bem utilizado, inclusive a gente conseguiu avançar muito no Estado de Rondônia. Mesmo com um sistema de primeira geração, Rondônia garantiu o 1º lugar da região norte e o 4º lugar no ranking nacional em solidez fiscal”, comenta.

O Siafem foi criado em uma linguagem de programação, à base de comando que nem todas pessoas conseguem operacionalizar, revestido de tela preta (semelhante ao antigo DOS do Windows), não intuitiva, cujas informações não se integram. Diferentemente dele, com funcionalidade que pode ser explorada se valendo da utilização de cliques, o Segef oferece possibilidade de integração entre planejamento, orçamento, contabilidade e financeira, como ainda, de folhas, sistemas de patrimônio e sistema de contratos.

De acordo com o superintendente de contabilidade, atualmente a gestão vivencia-se características diversas daquelas de 1997, sobretudo pela cobrança e o interesse da sociedade em ter acesso às informações do Estado, validando a exigência em refletir com fidedignidade os atos e fatos de gestão. “O Tribunal de Contas do Estado exige isso no nosso demonstrativo e a sociedade merece informações melhores”, deixando claro, que o sistema é um ganho para setor público, pontua.

TREINAMENTO E SUPORTE AO USUÁRIO

A Sefin já disponibilizou, em meados de dezembro do ano passado, treinamentos presenciais e virtuais para gestores e usuários de diversos órgãos e poderes, como também vai colocar à disposição dos usuários uma Sala de Orientação e Mentoria nas dependências da Escola de Governo no edifício Rio Jamari, térreo, no Palácio Rio Madeira. A sala contará com atendimento presencial, das 8h às 13h30, a partir do dia 18 de janeiro de 2021.

Por Secom/Governo de Rondônia