Municípios rondonienses pactuam celeridade nos resultados da vacinação de combate à Covid-19

 

Secom/Governo de Rondônia

O Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa), se reuniu por videoconferência, nessa quarta-feira (24), com representantes do Ministério da Saúde (MS), Associação de Municípios de Rondônia (Arom), prefeitos e secretários de Saúde dos 52 municípios rondonienses para tratar da vacinação de combate à Covid-19, em Rondônia.

A finalidade foi conversar com os gestores municipais sobre a importância dos municípios informarem no Painel Covid19, os dados sobre os vacinados. “Entendemos que a urgência dos municípios é aplicar a vacina. Mas da mesma forma precisamos apresentar esses dados, tanto para dar ciência aos órgãos fiscalizadores quanto uma resposta para a sociedade”, disse Ana Flora Gerhardt, diretora-geral da Agevisa.

Charles Gomes, diretor-executivo da Arom organizou a videoconferência junto aos municípios a partir de uma reunião realizada com a Coordenação de Imunização da Agevisa, quando compreendeu o fluxo de alimentação dos dados. “É inaceitável que nosso Estado apareça em rede nacional de maneira negativa, se estamos vacinando. Por isso a intenção dessa reunião é integrar todos os órgãos com um só objetivo: vacinar e mostrar o resultado o mais breve possível”, ponderou.

A partir dos dados apresentados pelo coordenador de Imunização da Agevisa, Ivo Barbosa, os gestores da Saúde nos municípios visualizaram porquê o Estado configura baixa cobertura vacinal e se propuseram tanto a intensificar a vacinação quanto a apresentar os dados no sistema. “As vacinas foram entregues há mais de 60 dias. Se os municípios não alimentam o sistema, para nós é como se não estivessem fazendo nada”, enfatizou.

Edilson Silva, diretor-adjunto da Agevisa ressaltou que o alerta é importantíssimo para todos os municípios. “Sabemos da realidade. Há municípios que só tem um vacinador, mas estamos em guerra, nosso pedido é que os municípios se organizem, façam mutirões. Vamos dar a resposta sobre a vacina o mais breve possível”, conclamou.

Além de apresentar os dados, a diretora-geral da Agevisa, também ressaltou a atenção à cobertura vacinal, como um todo: “nós fizemos essa videoconferência alertando prefeitos e secretários de saúde para que também façam uma força-tarefa para intensificar a vacinação. Não são todos, mas sabemos que há municípios que recebem a vacina na terça e só vai aplicar na sexta. Precisamos ser mais rápidos, são vidas que podem ser salvas, hospitais que podem ser desafogados, redução de necessidade de UTIs, não podemos em hipótese nenhuma esquecer a seriedade que é essa pandemia”, alertou Ana Flora.

REUNIÃO

Na terça-feira (23), representantes da Arom participaram de uma reunião com a Coordenação de Imunização da Agevisa para entender como é feita a alimentação dos dados sobre a vacinação. Charles Gomes, diretor-executivo e Valtinho Lara, coordenador da Arom foram recebidos por Edilson Silva e Ivo Barbosa, ambos da Agevisa, que apresentaram o Painel Covid e explicaram passo a passo, a importância e como é feita a alimentação de dados no sistema. “É simples, ao final do dia as equipes só precisam preencher a planilha com a quantidade de vacinados, utilizando as informações do formulário manual, para o sistema”, orientou Ivo.

Nessa reunião ficou definido o encontro com os gestores da Saúde nos municípios e a Arom passou a fazer parte de um grupo, em aplicativo, que trata sobre a questão da vacina. “As informações chegam e são enviadas direto para o grupo, que está sempre sendo atualizado”, desfechou Ivo.

CAMPANHA

Durante a videoconferência realizada com os gestores da Saúde nos municípios, a diretora Ana Flora Gerhardt liberou um link com uma campanha educativa de combate à Covid-19 para ser utilizada nos municípios. O material da campanha “Cidades contra a Covid-19” possui pequenos vídeos que podem ser postados em redes sociais, cards e demais materiais publicitários feitos para apoiar os municípios com materiais que conscientizam sobre a vacinação e sobre o vírus.

Por Secom/Governo de Rondônia