Secom/Governo de Rondônia

O Brasil deverá colher 133,7 milhões de toneladas de soja na safra 2020/2021. De acordo com o quarto Levantamento da Safra de Grãos, divulgado hoje (13) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a previsão tem por base o aumento de 3,4% na área destinada à plantação da oleaginosa, que representa cerca de 50% da colheita de grãos no país, estimada em 264,8 milhões de toneladas.

Segundo as previsões apresentadas pelo boletim, o crescimento previsto para a produção total será de 7,9 milhões de toneladas, na comparação safra 2019/20, quando foram colhidas 256,94 milhões de toneladas.

Principal produtor de soja no Brasil, Mato Grosso, que já iniciou a colheita do grão, tem a expectativa de colher 35,43 milhões de toneladas, o que representa, segundo a Conab, “ligeira queda” na comparação com o projetado para a safra anterior, mesmo com a expectativa de aumento na área plantada.

“O resultado é reflexo da estimativa de menor produtividade, uma vez que as condições climáticas de 2019 não se repetiram até então”, justifica a Conab.

Milho
Já a produção de milho para a safra 2020/2021 está estimada em 102,3 milhões de toneladas. “A primeira safra do cereal deve apresentar queda de 6,9%”, informa a Conab ao apontar as “condições climáticas desfavoráveis” no Sul do país como fator determinante para a redução.

“No Rio Grande do Sul, a diminuição nesse índice foi estimada em 11%. Com isso, a produção tende a ser 9,3% menor. Em Santa Catarina, os percentuais de queda na produtividade e na colheita da primeira safra são ainda maiores, chegando a 14% e 12,7% respectivamente. Em ambos os estados, a área destinada ao plantio do grão deve crescer, o que reduz um pouco a queda no volume de produção”, acrescenta.

Arroz
De acordo com a Conab, o aumento da área destinada à produção de arroz “foi menor do que o esperado, principalmente pelo fato de as chuvas não abastecerem satisfatoriamente as barragens que fornecem água para as lavouras irrigadas na Região Sul”.

As condições climáticas também tiveram influência na produtividade desse grão. Com isso, a produção estimada está em 10,9 milhões de toneladas – número 2,5% menor do que o registrado na safra anterior.

A Conab ressalta que, neste quarto levantamento, houve uma revisão da periodicidade e metodologia do quadro de oferta e demanda de arroz, com a janela de análise anual de cada safra passando do período de março a fevereiro para janeiro a dezembro – mudança que já era demandada pelo setor, para dar maior transparência e precisão às estimativas de estoques.

“Com essa mudança, o estoque físico real, ao fim de dezembro, será igual ao publicado como estoque de passagem no fim do mesmo mês, pois a colheita do arroz inicia-se apenas em janeiro de cada ano”, esclarece a companhia.

Por Agência Brasil