Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Uma pesquisa realizada em 12 unidades do Sistema Único de Saúde confirmou a eficácia da trombectomia mecânica em casos agudos de acidente vascular cerebral (AVC) isquêmico, também conhecido como derrame. Fruto de uma parceria entre o Ministério da Saúde e a Rede Brasil AVC, o estudo sugere a adoção do tratamento na saúde pública do Brasil, o que depende da aprovação da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec).

O acidente vascular cerebral isquêmico é o tipo mais frequente de AVC e acontece quando um vaso sanguíneo que irriga o cérebro é entupido por um coágulo ou trombo. Quando esse entupimento provoca a ruptura do vaso, o AVC se torna hemorrágico, o que ocorre em 15% dos casos.

Na trombectomia, um cateter é usado no AVC isquêmico para desobstruir um vaso sanguíneo no cérebro de forma mecânica, removendo o coágulo com o uso de um stent ou por sucção. O tratamento usado atualmente é a trombólise, em que os coágulos desse tipo são dissolvidos por meio de medicação. Segundo a Rede Brasil AVC, o uso do cateter já ocorre em 68 hospitais privados do país e é uma realidade na rede pública de outros países, como o Canadá e Chile.

Fundadora da Rede Brasil AVC e vice-presidente da Organização Mundial do AVC, Sheila Martins encabeçou o estudo que foi realizado no SUS entre 2017 e 2019, com 609 pacientes. A neurologista conta que a eficácia do tratamento já havia sido comprovada em 2015, mas a pesquisa realizada no Brasil foi pioneira na saúde pública de países em desenvolvimento. O estudo apontou que quem foi submetido ao tratamento teve mais chances de ficar sem sequelas e de continuar independente em suas atividades no dia a dia após um AVC. Além disso, houve menor mortalidade e incapacidade nos casos de trombectomia mecânica.

Uma das dificuldades para adotar a trombectomia mecânica para tratar os casos de AVC isquêmicos agudos é o custo mais elevado do procedimento. Segundo Sheila, uma trombólise custa cerca de R$ 4 mil na saúde privada, enquanto uma trombectomia chega a R$ 14 mil. No SUS, as trombólises custam cerca de R$ 1 mil, e a pesquisadora acredita que o gasto com os cateterismos cerebrais também seria menor que o pago na saúde privada caso fosse implementado no SUS.

“Quando o sistema de saúde incorpora, o Ministério da Saúde negocia para baixar esse valor”, disse ela, que prevê ainda gastos menores com os pacientes de AVC com um tratamento mais eficaz. “O que eu tenho que gastar vale a pena em relação ao benefício de saúde que tenho para o paciente ao longo de toda a vida. Ele reduz a necessidade de reinternação, de reabilitação e a ausência do paciente no trabalho”.

A Rede Brasil AVC defende, no entanto, que nem todos os hospitais podem oferecer o tratamento, já que ele requer uma equipe com especialização específica. “Nossa proposta inicial é implementar em 20 hospitais do SUS”, afirma ela, que pontua que a trombólise continua com a vantagem de ser possível em unidades de saúde de menor complexidade.

A trombectomia também pode atender a casos em que já não há mais tempo para recorrer à trombólise. O tratamento medicamentoso para dissolver os coágulos é eficaz até quatro horas e meia depois do início dos sintomas, enquanto o cateter pode ser utilizado até oito horas depois, chegando a 24 horas em casos específicos, segundo a Rede Brasil AVC.

A agilidade em iniciar o tratamento é fundamental para reduzir as chances de letalidade e possíveis sequelas de um AVC. A neurologista recomenda atenção aos sintomas, que surgem de forma.

Por Vinícius Lisboa – da Agência Brasil